Cultura e sociedade 09/03/2020

Ser mulher é ser sujeito de sua trajetória de vida

Ninguém nasce mulher, torna-se mulher.Simone de Beauvoir

Logo, ser mulher não é algo dado, natural ou biológico, mas trata-se de uma construção que é atravessada pelas normas, discursos e valores sociais e que, cada vez mais, tem se ampliado e pluralizado. Ou seja, existem ilimitadas formas do feminino se apresentar e cabe a cada pessoa inventar-se.

Ser mulher em nossa sociedade geralmente remetia ao desempenho de diversos papeis tanto dentro da família quanto no círculo social. Há mulheres que são: mãe, filha, esposa, cuidadora, professora do dever de casa, enfermeira dos familiares, chefe das finanças da casa, cozinheira, acompanhante dos enfermos no hospital, professora das tarefas domésticas para os filhos, dona-de-casa, arrumadeira, mediadora de conflitos em casa e no trabalho, dentre outros.

Assim, com tantos afazeres, muitas vezes mais voltados para os outros ao seu redor do que para si, muitas eram as mulheres que deixavam projetos pessoais de lado para se dedicar a esses outros, especialmente, os familiares mais próximos. Quantos não são os relatos de mulheres que, após engravidarem, interromperam seus estudos ou deixaram seus trabalhos para se dedicarem aos filhos e maridos?

Cada mulher é sujeito de sua história e deve ser respeitada e apoiada em suas escolhas

Apesar de sabermos que muitas mulheres interrompem seus projetos de vida para cuidar de outros membros da família, também é crescente o número de mulheres que retomam seus planos da juventude ou mesmo, que criam novos planos após os 40 anos de idade ou até mesmo na terceira idade.

Essas mulheres que resolvem realizar um curso superior já na maturidade ou que se lançam em uma nova carreira, são bons exemplos de como sempre é tempo para que façamos algo que diz de nosso desejo. E essas guerreiras o fazem, ainda que precisem cuidar de filhos pequenos sem auxílio de outras pessoas, ou ainda enfrentando grandes jornadas dentro e fora de casa. É um novo posicionamento feminino em que essas mulheres se percebem como mulheres-sujeitos de suas trajetórias de vida e, assim, saem em busca de suas realizações.

Muitas vezes a mulher tem um sonho e em sua própria casa é desestimulada a buscá-lo. Mas, se não há o apoio que se gostaria em casa, sempre haverá algo ou alguém que apoie, acredite ou auxilie, seja uma instituição que você busca para ter orientações sobre como abrir um negócio, seja o seu processo psicoterápico. Observamos uma união maior das mulheres que têm se organizado e buscado mostrar que o lugar da mulher é onde ela quiser.

Falou-se aqui sobre as mulheres que decidem começar um novo projeto pessoal ou profissional em uma idade madura, mas, de modo algum, se desmerece a opção daquelas que fazem o caminho inverso. As mulheres que investiram muito em estudos e carreira na juventude e, após determinada idade, abdicam de exercer a profissão, voltando-se para outros projetos pessoais.

Cada mulher é sujeito de sua história e deve ser respeitada e apoiada em suas escolhas. E as mulheres, na contemporaneidade, apresentam inúmeras faces e aparecem como sujeitos que buscam construir seu destino de forma singular.

Quando nasci
um anjo esbelto, desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira. Cargo muito pesado pra mulher, esta espécie ainda envergonhada. Aceito os subterfúgios que me cabem, sem precisar mentir. Não sou tão feia que não possa casar, acho o Rio de Janeiro uma beleza e ora sim, ora não, creio em parto sem dor. Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina. Inauguro linhagens, fundo reinos – dor não é amargura. Minha tristeza não tem pedigree, já a minha vontade da alegria, sua raiz vai ao meu mil avô. Vai ser coxo na vida é maldição pra homem. Mulher é desdobrável. Eu sou.Com licença poética - Adélia Prado

Untitled-1

1 – Hedy Lamarr – Atriz, musa, mãe e cientista, inventora de um sistema de comunicação sem fio que possibilitou a invenção do Wi-Fi.
2 – Marie Curie – Única mulher com dois prêmios Nobel; em Física e em Química.
3 – Nise da Silveira – Médica que revolucionou os moldes da Psiquiatria no Brasil, única mulher entre 157 médicos em sua turma

Referências bibliográficas:

You Might Also Like

1 Comentário

  • Responder Eliene Pereira 16/06/2016 às 16:38

    Iramaia Almeida Larissa Macedo

  • Qual sua opinião?

    Send this to a friend