Psicologia e saúde mental 30/04/2016

Gaslighting – Uma forma de violência sutil, à meia luz

gaslighting

 Tempo de leitura ~4 min~

. . .

[su_quote cite=”Somebody that I used to know – Gotye”]De vez em quando eu penso em todas as vezes que você me ferrou, mas me fazia acreditar que era sempre algo que eu tinha feito.[/su_quote]

GASLIGHTING – Definição

Gaslighting (derivado do termo inglês Gaslight, ‘a luz [inconstante] do candeeiro a gás’) refere-se a um dos tipos de abuso psicológico. Um método de manipulação sutil, mas eficiente, no qual o agressor, seja o companheiro, chefe, ou até mesmo um dos pais, apresenta informações falsas ou omite a realidade. A intenção é fazer sua vítima questionar a própria memória, conduta, percepção e sanidade, assim, destruindo sua confiança  e, em casos extremos, sua sanidade mental.

O termo surgiu do suspense norte-americano de 1944, “Gaslight”. O filme mostra o personagem principal, Gregory Anton, realizando uma manipulação psicológica sistemática em sua esposa Paula. Sua intenção é conduzi-la à loucura. Gregory faz com que Paula acredite que é mentalmente instável e cleptomaníaca, para que assim, duvide de suas memórias, de seu comportamento e de si mesma. Gregory é o pior tipo de vilão: é um assassino da alma.

[su_quote cite=”Nega suas atitudes e coloca a culpa em você. Te faz acreditar que você está sendo incoerente, vendo coisas onde não existem, que está ficando louca!”]Você é louca! Nunca fiz isso! Isso é coisa da sua cabeça![/su_quote]

Uma forma sutil de enlouquecer quem confia em você

Os níveis de abuso variam desde pequenas encenações até a manipulação de grandes eventos. O objetivo é desqualificar, diminuir ou colocar em duvida a autenticidade de qualquer sentimento de frustração, raiva, angústia ou medo da vítima e, dessa forma, fazer a vítima duvidar de si mesma, de seus sentimentos, destruir sua identidade e sua autoestima, num jogo de manipulação, poder e controle.

O abuso constante deixa marcas profundas na personalidade da vítima e não é tão incomum quanto imaginamos. E, quando se trata de uma criança, ela está ainda mais vulnerável.

[su_quote cite=”Desqualifica suas percepções e emoções.”]Você só pode estar de TPM pra ficar paranóica e chorona desse jeito![/su_quote]

O perpetuador do Gaslighting distorce o que lhe é dito para levar a pessoa à contradição ou para convencer com “argumentos lógicos” de que ela não está dizendo a verdade, sendo injusta ou até se confundindo em suas memórias. E, mesmo quando a vítima reúne forças para confrontar seu agressor, não obtém qualquer admissão ou arrependimento pela manipulação e abuso. A parte mais cruel do Gaslighting é como ele lentamente corrói a mente da pessoa abusada, que passa a se questionar.

[su_quote cite=”A vítima começa a duvidar de suas percepções, porque o abusador o diz frequentemente como ela está sempre errada”]Porque eu faço tudo errado?![/su_quote]

[su_quote cite=”Mesmo tendo certeza, sente culpa por estar confrontando, acredita que talvez você possa estar errada.”]Será que isso realmente aconteceu ou estou exagerando? Será que entendi mal alguma coisa?[/su_quote]

Quem é o agressor?

Apesar de termos usado o exemplo do filme, que mostra a trama silenciosa das manipulações psicológicas de um marido para com sua esposa, a prática do Gaslighting não exige uma elaboração deliberada. Ou seja, não precisa ser premeditado. Implica apenas a crença de que é aceitável tentar alterar a realidade da outra pessoa e levar alguma vantagem, como por exemplo, se safar de um problema.

O agressor normalmente é uma pessoa que evita confrontos diretos em vários setores da sua vida. Não admite as suas falhas, defeitos e perversões, nem mesmo na intimidade. São pessoas que estão dispostas a proteger, a qualquer custo, sua imagem social e manifestam consternação e sofrimento por serem acusados ou por colocarem em questionamento sua integridade.

O manipulador nega sempre que é confrontado. Se você observar o histórico, ele nunca cometeu um erro sequer. Não conseguirá recordar de um pedido claro de desculpas. E, quando não nega o ato, reconhece que tais situações existiram; mas que a vítima não se lembra delas claramente e que está interpretando mal o que ele disse ou fez. Contraditoriamente, perante terceiros, o abusador expressa preocupação e cuidado. Evidenciando casualmente que o outro, “o louco”, tem uma tendência para a mentira ou que é “problemática” ou “quer atenção”.

Por todos os motivos citados, o Gaslighting é muito difícil de ser gerido pela vítima. Ela fica confusa e não consegue compreender que está sendo manipulada, vindo a duvidar de sua própria percepção e eventualmente de seu juízo.

[su_quote cite=”Ele desvaloriza as suas opiniões, afirmando que, para seu próprio bem, você não deveria falar sobre um determinado assunto”]Melhor não falar besteira, meu bem, mulher não entende de futebol, enquanto nós homens jogamos desde pequenos.[/su_quote]

Como saber se minha relação é abusiva?

Além do que citamos ao longo do texto, existem outros sinais que podem significar que você vive uma situação de abuso psicológico. O reconhecimento da situação de abuso psicológico sempre é doloroso. Mas, se você chegar à conclusão de que é uma vítima, primeiramente, esteja grat@ pelo despertar.

Embora a percepção seja difícil, pelo menos agora você sabe! Então, como sempre, recomendamos a procura de um profissional para ajudar a identificar outros sinais e obter os recursos necessários para começar a reconstruir a sua saúde emocional e mental, ou até sair dessa relação.

Não são atos isolados

Gregory desmonta a sanidade de Paula através de manipulações sutis e pequenas mudanças nos detalhes de suas conversas. Ele se porta sempre de maneira calma e razoável quando Paula fica chateada com as discrepâncias. Logo, ela assume que ele é o lúcido da relação e começa a duvidar de sua percepção da realidade e sua própria sanidade.

O ‘Gaslighting’ de Gregory sobre Paula é lento, constante e muito sutil. Ninguém de seu meio familiar suspeitaria que ele estivesse lentamente dirigindo sua mulher à loucura. Ninguém do âmbito social do casal jamais acusaria o sofisticado Gregory de ser um louco. Como ele conta histórias em público sobre a insana e frágil Paula (enquanto ele a mantém isolada em casa), seu círculo social o favorece.

Durante todo o filme, Gregory continuamente se apresenta como um marido amoroso, carinhoso, atraente e talentoso. Paula, por sua vez, começa o filme parecendo bonita, talentosa e sã. Mas, os jogos mentais de seu marido a desgastam e ela começa a surtar, mesmo em público.

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=9QKqDd_Y6ec” height=”320″]

Referência Bibliográfica:

  • DORPAT T.L. “Gaslighting, the Double Whammy, Interrogation, and Other Methods of Covert Control in Psychotherapy and Analysis”
  • TRACY N. “Gaslighting Definition, Techniques, and Being Gaslighted”

[su_animate type=”swing”]

Está curtindo esse artigo? Então coloque seu email abaixo e junte-se aos vários leitores da DiálogoPsi.

[/su_animate]

You Might Also Like

  • Gangstalking 19/07/2018 às 15:34

    Gostaria de saber sugestões para procedimentos legais ou criminais contra perpetuadores dessa natureza, uma vez que tortura psicológica se caracteriza como crime!

    Só aproveitando o espaço, se você não conhece o termo “Gangstalking” ou “Perseguição Organizada” ou “Assédio Coletivo Organizado”, pois bem fica a dica. A técnica de Gaslighting é muitas vezes utilizada em programas de Gangstalking seja para te eliminar ou controlar através da intimidação, ou seja não é uma técnica utilizada apenas por cônjuges ou familiares.

    Se você se sente prejudicado ou perseguido fora de casa também, não se esqueça de pesquisar por “Gangstalking”.

    Agradeço!

  • online drugstore uk 22/06/2018 às 13:28

    I was curious if you ever thought of changing the structure of your blog?
    Its very well written; I love what youve got to say.
    But maybe you could a little more in the way of content so people
    could connect with it better. Youve got an awful lot of text
    for only having 1 or 2 pictures. Maybe you could space it out better?

  • 1 2 3
    Fale com a equipe
    Fale com a equipe
    Julia Maria AlvesWhatsApp
    Send this to a friend