fbpx
Saúde mental 18/05/2020

A experiência de luto durante a pandemia

 Tempo de leitura ~1 min~

. . .

Vivenciamos uma situação não prevista e que modificou extremamente as nossas rotinas. Nesse momento, precisamos restringir nosso contato com pessoas com as quais não residimos e, em caso de infecção por Covid-19 ou mesmo suspeita, inclusive em nossas casas precisamos nos isolar.

Demonstrações de afeto precisaram ser adaptadas, o abraço caloroso com os corpos unidos precisou ser substituído pelo abraço virtual, pelo envio de uma lembrança, pelas – tão utilizadas neste momento –  chamadas por vídeo.

Estamos experimentando muitas perdas neste momento crítico que o mundo atravessa com a pandemia do coronavírus. E como fica o processo de vivência do luto para aqueles que perderam um ente querido neste momento?

E como fica a experiência do luto?

As mortes em contexto de pandemia ocorrem de forma mais rápida e abrupta, muitas vezes inesperada, o que dificulta a elaboração do luto e pode afetar a saúde mental daqueles que sofrem a perda. Neste contexto, temos algumas questões: o isolamento da pessoa doente, o que dificulta ou inviabiliza a comunicação, o contato e as despedidas; também a possibilidade de um grupo familiar sofrer a perda de mais de um ente querido devido à rápida proliferação do vírus. Esses são alguns dos fatores que aumentam as chances do desenvolvimento de um luto complicado, com maior intensidade e duração prolongada.

Temos visto as equipes de saúde esforçando-se para viabilizar momentos de contato virtual das pessoas infectadas pelo coronavírus com familiares, o que é muito importante e contribui para o conforto de paciente e de familiares, podendo contribuir para a melhora dos pacientes ou viabilizando momento de despedida destes com seus entes queridos.

O luto é uma experiência individual, mas não precisa e nem é desejável que seja vivenciado sozinho. É importante que a pessoa enlutada busque o suporte de sua rede de apoio: amigos, familiares, vizinhos, psicólogo. Em meio à pandemia essa reunião está dificultada, mas é possível buscar caminhos, contatos telefônicos, conversas por vídeo, psicoterapia online, etc.

Em um contexto de pandemia, estamos todos afetados. Experimentamos sentimentos de medo, desamparo e incerteza. É recomendado que se busque o suporte psicológico, na modalidade online, conforme o Conselho Profissional de Psicologia instruiu para este momento. O atendimento psicoterápico será um espaço para que a pessoa, ainda que sem vivenciar uma perda de ente querido, possa ser acolhida e acompanhada.

Leia mais:
Um novo lugar para o luto
Como lidar com o luto e a perda

Adaptar rituais fúnebres, mas não esquecer a importância deles

As recomendações sobre o momento do funeral podem sofrer variações de acordo com o curso da pandemia no país, mas sempre é possível pensar em formas de viabilizar rituais adaptados para que se possa receber o apoio e o afeto de pessoas queridas.

Em uma cartilha elaborada pela Fiocruz são sugeridas algumas ações como a organização de um livro de visitas online para amigos e familiares se manifestarem, ou ainda que os enlutados reservem um tempo para rituais culturais ou espirituais em suas casas em homenagem à pessoa falecida, que podem ser uma oração ou a escrita de uma mensagem revendo fotografias do ente querido.

Portanto, é preciso que as redes socioafetivas sejam fortalecidas neste momento de dor e perda. É importante que se fique atento para notar caso algum familiar ou amigo encontre dificuldade para lidar com o luto, é fundamental estar presente ainda que virtualmente ou até mesmo buscar o auxílio de um profissional da saúde mental para a pessoa enlutada.

. . .

Referências
  • Fundação Oswaldo Cruz. Fiocruz. Ministério da Saúde. Brasil. Processo de luto no contexto da Covid-19. Brasília: Fiocruz, 2020.
    Disponível em: Aqui

Comp[ART]ilhe arte e cultura:
Imagem da capa: Escultura de Tian Yonghua, “Entre os reinos do real e do virtual” disponível em @thehouseoffineart

You Might Also Like

Qual sua opinião?