Neuropsicologia 13/01/2020

TDAH: Desmistificando o que tem sido dito sobre o tema

Já faz um tempo que o TDAH, o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, tornou-se um alvo nas mídias. Vê-se uma quantidade considerável de publicações que saem em periódicos científicos até em tabloides; em espaços destinados à medicina, educação, psicologia, família e criação de filhos entre outros. As publicações sobre o tema apresentam versões muito diferentes e até mesmo contraditórias. Isso é compreensível já que ele é ainda um transtorno e estudo, utilizando-se das novas tecnologias que a ciência moderna dispõe para melhor entendimento da sua causa (etiologia), substrato neuropsicológico e consequentemente o tratamento.

O TDAH é o mal desse século?

Em muitos casos esse transtorno é colocado como o grande mal desse período em que vivemos, dando a impressão de que é um quadro que surgiu “recentemente” em função do nosso contexto de vida “desequilibrado”. No entanto, em 1902, o pediatra George Still já havia descrito o quadro que passou por várias nomeações diferentes. Em 1968 já constava no Manual de estatística e Diagnóstico DSM-II da Associação Americana de Psiquiatria (APA), no caso nomeado como Desinibição Motora. O transtorno foi sofrendo alterações na sua nomenclatura e descrição ao longo do tempo até chegar essa ultima versão –DSM-V em 2013, mas desde 1987 ele já é citado como Transtorno do Déficit de Atenção. Ou seja, primeiro ele não é fruto da sociedade moderna e não pode mais ser considerado novo, pois já temos aí mais de um século de estudos a respeito.

O que é TDAH?

Barkley (2008) coloca o TDAH como “termo que designa um transtorno desenvolvimental específico observado tanto em criança quanto em adultos, que compreende em déficits na inibição comportamental, atenção sustentada e resistência à distração, bem como a regulação do nível de atividade da pessoa às demandas de uma situação (hiperatividade ou inquietação)”.

Um Transtorno do Desenvolvimento quer dizer que ele ocorre durante o período maturacional e evolutivo e tem uma lógica biológica influenciado por contingências ambientais. Então o TDAH está presente desde as fases primárias do desenvolvimento, mesmo que só seja possível diagnosticar após certa idade.

Mas O TDAH realmente existe?

Após uma superexposição do tema nas mídias e com consequente aumento dos diagnósticos, atualmente têm se visto publicações que questionam a veracidade do quadro do TDAH e até sua existência. Esse tipo de publicação deve ser lida de forma crítica, pois o fato de se ter muitos falso diagnóstico (casos diagnosticados como tal, mas que não são TDAH) não pode ser levado ao extremo da negação de que o transtorno exista. Para diagnóstico do quadro existem alguns critérios que fazem toda a diferença:

Dado 18 sintomas que descrevem a desatenção e hiperatividade/impulsividade é preciso apresentar 6 de cada grupo de forma clinicamente significativa e inconsistente com a idade do indivíduo durante 6 meses. Os sintomas devem comprometer pelo menos duas áreas da vida do indivíduo impactando a vida acadêmica, social, profissional, etc.. E esses sintomas não podem ser explicados por outros transtornos, como por exemplo, depressão,esquizofrenia.

Os grifos são extremamente relevantes para não considerar patológico características que são comuns à população, mas não atuam de forma disfuncionais, ou características comuns à uma faixa etária. Afinal, muitas pessoas podem se identificar com uma dificuldade de organizar tarefas e atividades, mas ela deve ser frequente e causar prejuízo ao sujeito e não pode acontecer só em relação á escola, como em casa e em outros âmbitos. Seguindo a lógica também a maioria das crianças de 3 anos podem ser enquadradas em frequente dificuldade em prestar atenção à detalhes, cometendo erros por descuido. E uma pessoa que está distraído alheio às tarefas em função de um quadro ansioso em relação alguma situação vivenciada não pode ser confundido com TDAH.

Alguns outros aspectos contribuem para todo o questionamento que tem sido feito à respeito do TDAH.

  1. a etiologia ainda não é certa, já existem vários estudos com resultados importantes, porém ainda pouco conclusivos. Estudos sugerem fatores genéticos; problemas gestacionais e uso e exposição de substâncias psicoativas durante a gravidez como nicotina, chumbo; adversidades na hora do parto e prematuridade.
  2. A definição do perfil ou modelo neuropsicológico também está em fase de estudos para compreender o que de fato está disfuncional quando se configura um quadro de TDAH. Existem várias hipóteses de sistemas funcionais dos processos atencionais que elucidam circuitos envolvidos que estão sendo testadas através de técnicas recentes com o uso de exames de neuroimagem.
  3. Existem diferenças entre critérios diagnósticos americanos (DSM-V) e europeus (Classificação Internacional de Doenças, CID-10). E para além dos critérios, existe um viés que é cultural e que pode gerar inconsistências diagnósticas em diferentes países.

De fato, o que foi exposto acima envolvendo essas falácias e os critérios que nem sempre são compreendidos vem sendo acompanhado por exagero de diagnóstico e medicalização indiscriminada na população infantil. Levando-se em conta o parâmetro epidemiológico que diz que o quadro afeta de 6 a 8% das crianças, parece que vivenciamos uma “hiper-diagnosticação”, pois convivemos com muitos sujeitos identificados com TDAH, que nitidamente ultrapassa a faixa prevista.

A palavra identificação foi usada de forma proposital, aliás, vemos muitas vezes profissionais não médicos e até mesmo a própria família fazendo o que não tem competência que é diagnosticar. Outro ponto é que o TDAH virou uma panaceia muito confortável para enquadrar problemas que são difíceis de lidar na esperança de que, sendo “doença”, é passível de tratamento. Porém, não se justifica como reação a negação de um quadro que, na verdade, vem sendo “mal tratado”.

A Ritalina é a droga da obediência?

Além de questionar o quadro do TDAH muito se especula de que as crianças então sendo medicadas para virar zumbis, sendo expostas à dependência da Ritalina que é um remédio muito perigoso.

O primeiro ponto que deve ser levantado é que o tratamento indicado para o TDAH é multimodal, composto pelo medicamento, orientação familiar, escolar e/ou profissional, Terapia Cognitiva Comportamental e técnicas neuropsicológicas e intervenções ambientais para treinamento de auto instrução, autorreforço, resolução de problemas e estratégias metacognitivas . Na maioria das vezes o que se adota é apenas a intervenção medicamentosa e depois ela arca com todas as críticas.

Segunda questão é que o metilfenidato (Ritalina), já é utilizado desde 1930 em crianças e adolescentes, e seus efeitos colaterais foram estudados por Pastura e Mattos (2004) que concluíram que o medicamento é clinicamente seguro para tratamento de TDAH, com efeitos colaterais pouco frequentes, de pouca gravidade e facilmente contornáveis pelo médico. Os efeitos colaterais citados em ordem de maior ocorrência são: diminuição de apetite, insônia, dor abdominal, cefaléia, propensão ao choro, tiques, tontura, náuseas, roer unha, falar pouco, ansiedade, desinteresse, euforia, irritabilidade, pesadelo, tristeza e olhar parado.

E por fim a questão da dependência ao medicamento também foi analisado por Pastura e Mattos (2004) como sendo um risco mais teórico que prático. A medicação comum tem duração média no organismo de 3 a 5 horas, os medicamentos de ação prolongada alcançam o máximo de 12 horas. As prescrições normalmente levam em conta a rotina do indivíduo priorizando os momentos de maior necessidade de atenção (período escolar ou de trabalho), não sendo um grau muito grave, a pessoa ficará uma parte do dia sem a ação da medicação. Segundo Pastura e Mattos (2004)

Geralmente, o paciente com TDAH consegue um bem-estar muito grande ao utilizar a medicação, o que na verdade, é um estímulo para manter o seu tratamento de forma adequada. A farmacocinética do medicamento, com início relativamente lento de ação e pico sérico em uma hora, torna menos provável o abuso para fins recreativos. O risco de abuso pelo paciente é considerado raro, porém há relato anedótico de uso indevido por parte de familiares e amigos”.

Então podemos concluir que o medicamento corresponde satisfatoriamente ao tratamento sem ameaça relevante ao futuro do indivíduo que apresenta o TDAH. No entanto, sabemos que não são só esses casos que fazem o uso da medicação, como foi comentado acima, existem muitos falsos diagnósticos e se a pessoa não tem a necessidade, infelizmente ela está exposta aos efeitos colaterais sem o benefício da medicação. E existem muitas pessoas fazendo uso indiscriminado do medicamento em busca dos seus efeitos de melhora na atenção, agitação e buscando emagrecimento. Infelizmente essas condutas ajudam a “queimar o filme” do TDAH e influencia de forma negativa, pois aqueles indivíduos que de fato apresentam o TDAH podem deixar de receber o tratamento adequado.

. . .

Comp[ART]ilhe arte e cultura:
As obras disponibilizadas no texto são do artista Marcos Guinoza, disponível em @marcosguinoza.

[su_animate type=”swing”]

Está curtindo esse artigo? Então coloque seu email abaixo e junte-se aos vários leitores da DiálogoPsi.

[/su_animate]

You Might Also Like

1 Comentário

  • Responder Júlia Mª Pereira Alves 17/01/2016 às 17:30

    Ótimo!

  • Qual sua opinião?

    Fale com a equipe
    Fale com a equipe
    Julia Maria AlvesWhatsApp
    Send this to a friend